Blog VOIN

Noticías

Mundo Offshore e Mercado de trabalho

Decreto para tratar das eólicas offshore preenche lacuna jurídica, mas aguarda regulação, por Raphael Gomes e Pedro Dante

Próximo passo esperado é a regulação da fonte pela Aneel e procedimentos técnicos do operador do sistema elétrico

A publicação do Decreto federal nº 10.946/2022, que dispõe sobre a cessão de uso de espaços físicos e o aproveitamento dos recursos naturais em águas interiores de domínio da União, no mar territorial, na zona econômica exclusiva e na plataforma continental para a geração de energia elétrica a partir de empreendimento offshore, foi fundamental nesse primeiro passo dado rumo ao desenvolvimento da eólica offshore no Brasil.

A partir de agora, deverá haver uma esperada evolução das normas regulatórias da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)  em relação à fonte, bem como dos procedimentos técnicos do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) em relação aos temas técnicos de conexão.

Na análise dos dispositivos presentes no Decreto, em especial, o parágrafo 3º do art. 5º,  compreende-se que o decreto não afetou qualquer atribuição da Aneel, reforçando que a cessão de uso do recurso hídrico não garante a implantação e exploração de usina de geração de energia elétrica, cuja outorga deve ser emitida pela agência reguladora.

No mais, o regulamento se mostra extremamente relevante para a resolução de uma lacuna que antes existia. Isto porque, entre 2016 e 2019, houve a emissão dos primeiros Despachos de Requerimento de Outorga (DROs), pela Aneel, para projetos eólicos offshore, no Brasil.

À época, como não havia legislação específica para eólicas offshore, a agência nacional aplicou, por analogia, a Resolução Normativa nº 876/2020, relativa à eólica onshore.

Em que pese o fato de esta alternativa ter sido a melhor para aquele momento, no decorrer dos processos para obtenção das outorgas, passou-se a verificar a existência de algumas peculiaridades que não poderiam ser abarcadas pela aplicação de uma norma por analogia.

Um exemplo claro disso é que a Resolução Normativa nº 876/2020 estabelece que devem ser prestadas informações de direito de passagem relacionadas à implantação do projeto.

Porém, como tratar o direito de passagem quando lidamos com uma zona de domínio da União? Na época, definiu-se que o direito de passagem dependeria de declaração/aprovação emitida pela Secretaria de Patrimônio da União (SPU).

Certa de que a alternativa inicialmente proposta não era capaz de trazer segurança jurídica ao investidor, em 25/8/21, a Aneel abriu a Consulta Pública nº 056/2021, que visava obter subsídios para o aprimoramento dos requisitos e procedimentos necessários para a obtenção da concessão de autorização prevista na Resolução Normativa nº 876/2020.

Após a consulta pública, entendeu-se que o processo de outorga de projetos eólicos offshore dependeriam da articulação entre os órgãos envolvidos na regulamentação do assunto, são eles: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), SPU, Ministério de Minas e Energia (MME), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Marinha do Brasil.

A conclusão é acertada, uma vez que se trata de um bem da União com uma sobreposição de competências, cuja situação traz latente insegurança jurídica para o investidor, ainda mais para uma nova tecnologia que necessita de capital intensivo e da implantação de toda uma cadeia produtiva para se tornar competitiva com as demais fontes de geração de energia.

Por conta dessa insegurança jurídica que pairava sobre a questão, as áreas técnicas da Aneel adotaram uma postura conservadora no sentido de não recomendar a emissão e/ou prorrogação de DROs de projetos offshore até que houvesse delimitação de competência e requisitos claros para o desenvolvimento do setor.

Raphael Gomes e Pedro Dante são sócios da área de Energia do escritório Lefosse

Lefosse presta serviços jurídicos para empresa que desenvolve projetos de parques eólicos offshore no Brasil. O escritório oferece consultoria em questões regulatórias, transacionais, contenciosas e societárias para geradoras, comercializadoras, transmissoras, distribuidoras e grandes consumidores de energia. Seu portfólio inclui privatizações e os maiores projetos de geração distribuída (GD) e autoprodução de energia do país.

Fonte: https://epbr.com.br/decreto-para-tratar-das-eolicas-offshore-preenche-lacuna-juridica-mas-aguarda-regulacao-por-raphael-gomes-e-pedro-dante/

SAIBA COMO SE TORNAR TÉCNICO EM ATE 40 DIAS!

Conheça Nosso Supletivo

Informações

Voin
Rua Dr. Feliciano Sodré, 78, Sala 1103, Centro São Gonçalo, RJ
call

VOIN Educaional

Informe os dados abaixo para falar com um de nossos especialistas.